quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Sophia de Mello Breyner, a força da poesia



Sophia de Melo Breyner Andresen (1919-2004) é considerada uma das maiores poetas portuguesas do século XX. Penso que é uma das maiores poetas de todos os tempos. Seu verso é claro, preciso, elegante, comovedor. No final de um poema dedicado a Sophia, escreveu Manuel Alegre:“Sua escrita é de nau e singradura / e há nela o mar o mapa a maravilha./ Sophia lê-se como quem procura / a ilha sempre mais ao sul.”

Nascida no Porto, de família aristocrática — por parte de pai, de origem dinamarquesa —, Sophia passou a infância e adolescência na cidade natal, na fabulosa Quinta do Campo Alegre (hoje simplesmente o Jardim Botânico do Porto), que pertencia à sua família. A infância e a natureza são dois temas preferenciais da poesia de Sophia. Outro tema central é o mar, presente em dezenas de poemas seus, como este

Fundo do mar

No fundo do mar há brancos pavores,
Onde as plantas são animais
E os animais são flores.

Mundo silencioso que não atinge
A agitação das ondas.
Abrem-se rindo conchas redondas,
Baloiça o cavalo-marinho.
Um polvo avança
No desalinho
Dos seus mil braços,
Uma flor dança,
Sem ruído vibram os espaços.

Sobre a areia o tempo poisa
Leve como um lenço.

Mas por mais bela que seja cada coisa
Tem um monstro em si suspenso.


Já o poema a seguir recria de forma magistral um tema caro aos portugueses, o do mar ligado aos descobrimentos:

Descobrimento

Um oceano de músculos verdes
Um ídolo de muitos braços como um polvo
Caos incorruptível que irrompe
E tumulto ordenado.
Bailarino contorcido
Em redor dos navios esticados
Atravessamos fileiras de cavalos
Que sacudiam as crinas nos alísios
O mar tomou-se de repente muito novo e muito antigo
Para mostrar as praias
E um povo
De homens recém-criados ainda cor de barro
Ainda nus ainda deslumbrados


Em Lisboa, Sophia de Melo Breyner formou-se em Filologia Clássica (1939) — a herança clássica tornando-se essencial à sua percepção do mundo —, participou de movimentos literários, tornou-se amiga de poetas como Jorge de Sena e, ao lado deles, combateu a ditadura salazarista. Tinha coragem e um forte senso de justiça. Casou-se em 1946 com o advogado, jornalista e político Francisco Sousa Tavares, tendo cinco filhos, entre os quais o escritor Miguel Sousa Tavares.
Em 1974, Sophia apoiou a Revolução dos Cravos, que pôs fim ao salazarismo, e no ano seguinte foi eleita, pelo Partido Socialista, para a Assembléia Constituinte. Seu profundo senso de cidadania inspirou-lhe vida e obra. Não colocou sua poesia a serviço da ideologia, mas trouxe para os versos situações vividas no dia-a-dia da história do seu país. A dura situação do exílio, por exemplo, experimentada por tantos de seus amigos durante o salazarismo, a comovia:
Exílio

Quando a pátria que temos não a temos
Perdida por silêncio e por renúncia
Até a voz do mar se torna exílio
E a luz que nos rodeia é como grades


Sophia sabia que, acima e além dos homens, das circunstâncias e das guerras, reinava o poder da poesia, único capaz de fazer reflorir a vida:

Poesia

Se todo o ser ao vento abandonamos
E sem medo nem dó nos destruímos,
Se morremos em tudo o que sentimos
E podemos cantar, é porque estamos
Nus em sangue, embalando a própria dor
Em frente às madrugadas do amor.

Quando a manhã brilhar refloriremos
E a alma possuirá esse esplendor
Prometido nas formas que perdemos.


Sophia de Mello Breyner publicou numerosos livros de poesia a partir de 1945, entre eles Mar Novo (1958), Livro Sexto (1962), O Nome das Coisas (1977) e Ilhas (1989). Foi também contista, escrevendo ainda diversos livros para crianças. Recebeu prêmios importantes, entre eles, em 1999, o Prêmio Camões. Poucos foram tão grandes quanto ela:

Deus escreve direito por linhas tortas

Deus escreve direito por linhas tortas
E a vida não vive em linha recta
Em cada célula do homem estão inscritas
A cor dos olhos e a argúcia do olhar
O desenho dos ossos e o contorno da boca
Por isso te olhas ao espelho:
E no espelho te buscas para te reconhecer
Porém em cada célula desde o início
Foi inscrito o signo veemente da tua liberdade
Pois foste criado e tens de ser real
Por isso não percas nunca teu fervor mais austero
Tua exigência de ti por entre
Espelhos deformantes e desastres e desvios
Nem um momento só podes perder
A linha musical do encantamento
Que é teu sol tua luz teu alimento.

18 comentários:

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Obrigado por trazeres uma de minhas poetas favoritas. Favorita por tudo quanto escreve e, sobretudo, pela imensa e profunda ligacao com o MAR (Santa Sophia do Mar) e já inspirou poemas meus como este:

O QUE É O MAR?



Tu perguntas, e eu não sei
eu também não sei o que é o mar


(Sophia de Mello Breyner Andresen)




Serenidade
leve brisa discreta
traz no regaço o perfume das esmeraldas diluídas
brilhando na placidez do vento.
Crepes tremulam em suspiros leves de espuma
e perdidos entre cetins luminosos
vêm os teus lábios, pétalas rosadas,
sôfregos para me beijar.

Namibiano Ferreira

Amélia disse...

Gosto sempre de ler Sophia(»sabedoria), a que escreveu
Quando eu norrrer voltarei para buscar/os instantes que não vivi junto do mar...

Bipede Implume disse...

Querida Janaína
A escrita da Sophia é como a matemática, emocionalmente certa.
É uma linguagem depurada. Nada está a mais. Apenas emoção e razão.
Sou uma admiradora incondicional.
As fotografias do Com Calma são todas minhas. Quando isso não acontece eu identifico o seu autor.
Estas da Praça da Figueira, foram tiradas do Castelo de S.Jorge.
E muito obrigada pela divulgação da biografia da Sophia.
Muita saudade, amiga.
Isabel

Ana Tapadas disse...

Só posso dizer-te isto: Sophia, Eugénio e Jorge de Sena são o meu triângulo de ouro!
Beijo

cirandeira disse...

Bela postagem Janaína. Sophia é de fato uma poeta de primeira linha e nos deixou uma vasta obra. Seus oitenta e cinco anos de vida foram muito bem vividos, pois não limitou-se apenas a fazer poesia.Foi uma mulher forte e corajosa.
Obrigada por mais este presente!
Bjs

Nydia Bonetti disse...

De uma beleza imensa a poesia de Sophia. Achei muito interessante quando disse que embora não tenha usado a poesia como bandeira, trouxe situações vividas no dia-a-dia da história do país. É exatamente assim que vejo a poesia: ela sempre reflete seu tempo e seu lugar. Adorei este post, Janaína.

Bom fim de semana, beijos!

ADRIANO NUNES disse...

Cara Janaína,


Ótima postagem!


Abraços,
Adriano Nunes.

Meg disse...

Janaína,

Agora de férias e finalmente com tempo para os amigos, eis que me deparo aqui com Sophia de Mello Breyner, uma das maiores poetas da nossa Língua.
E felicito-a pela forma como lhe dá ainda mais brilho neste seu post, minha amiga.
Claro que só uma pessoa com uma grande cultura e sensibilidade, nos pode falar de Sophia, como a Janaína o faz...
É com muito carinho que lhe deixo a minha gratidão.

Um bom fim de semana num beijo

Mariano disse...

Bela seleção de poemas.

comboio turbulento disse...

Sophia é sempre uma excelente escolha. Aliás, fantástica

dade amorim disse...

São sempre bons e belos os poemas de Sophia que conheço. Já andei procurando livros dela aqui no Rio, não encontrei. Tenho lido muita coisa pela internet, na página sobre ela e em blogs, principalmente portugueses. Mas não conhecia ao menos um dos poemas que você postou.
A casa do Coluna do meio é a minha, sim, Jana. Apareça, é muito bem-vinda.

Beijos.

giramundo disse...

Muito boas as poesias de Sophia, e a sua trajetória de vida também. Ainda não a conhecia.Após essa excelente postagem, deu-me vontade de conhecê-la melhor.
Obrigada pela visita, será sempre bem vinda!
Um bom domingo

Dalva disse...

Amo a poesia portuguesa e Sophia é um marco impressionante, cheia de lirismo e seu amor ao mar...

Boa semana!

Bjs.

Hneto disse...

Salve a poesia, saudações!

Carlos Magno disse...

Amiga Janaina, obrigada pelas palavras no meu blog. de fato estive afastado, mais estou de volta.
belo texto sobre Sophia de Mello.
bjs

peciscas disse...

Ler a Sophia é um encantamento sempre renovado.
Por curiosidade, te digo que fiz a cadeira de Botânica,dos meus estudos universitários, precisamente na quinta onde viveu a família da poeta, ali para o Campo Alegre.

Aninha Pontes disse...

Até então, não conhecia Sophia, agora já posso falar dos belos poemas que escreve.
Aqui é lugar para se descobrir talentos e sensibilidades.
Beijos querida, de todos nós.

Sílvia Câmara disse...

Acho lindo quando ela escreve:
" Mar,
Metade da minha alma é feita de maresia."

Gratíssima por retornar ao Brisa.
E o firmamento é de todos. rsrs
bjo.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails