segunda-feira, 22 de março de 2010

Não confio mais no sedex


Há dias tento escrever este texto, mas não consigo. Não sei se devido à minha frustração com o assunto, ao fato de eu chorar toda a vez em que penso nele, à minha profunda sensação de impotência... Vou tentar mais uma vez vencer o bloqueio, e escrever.

Aconteceu comigo: enviei por sedex, de Maceió para Salvador, quatro livros originais escritos nas décadas de 1940 e 1950 pela poeta Jacinta Passos, minha mãe: Nossos poemas, Canção da partida, Poemas políticos e A Coluna. Os leitores deste blog sabem que preparo a edição completa da obra dela, acompanhada de biografia e fortuna crítica, a ser publicada em breve pelas editoras da EDUFBA e Corrupio. A certo momento dos trabalhos, foi necessário comparar os poemas originais dos livros com o texto em page maker, pois nessa transposição costumam acontecer mudanças nos espaços entre as estrofes.

Enviei então os livros de minha mãe para a editor Bete Capinan, em Salvador. Havia pressa, e eu não tinha por que me preocupar, pois sempre confiei nos Correios, principalmente no sedex, serviço que cobra caro justamente para entregar as encomendas rápido e em segurança.

Então começou meu pesadelo. Alertada por Bete de que o pacote não chegara, rastreei-o no site dos Correios, encontrando a informação de que havia sido encaminhado para refugo. Por telefone, fui informada de que, para os Correios, “refugo” quer dizer encomenda encaminhada para… destruição! Sem entender nada e apavorada, liguei imediatamente para Bete, pedindo a ela que fosse rápido à agência dos Correios em Salvador, pois os livros poderiam ser destruídos a qualquer momento, sem que nem soubéssemos por quê. Ela não pôde fazer muito: os Correios consideram que, até ser entregue, a correspondência pertence ao remetente, não ao destinatário, e portanto apenas eu, não ela, tinha direito a saber algo. O argumento lógico de que eu me encontrava em outra cidade, e ela, destinatária, igualmente interessada na encomenda, é que estava ali em Salvador, não sensibilizou ninguém. Graças apenas a uma boa conversa pessoal, Bete conseguiu que uma funcionária procurasse e lhe mostrasse a caixa onde eu havia enviado os livros: estava despedaçada e, dentro dela, havia um… relógio!

Nesse meio tempo, eu preenchia no site dos Correios um “pedido de informação”, a única providência que um usuário que se sente lesado pode tomar, acreditem. E deveria aguardar 5 dias úteis pela resposta dos Correios. Essa resposta só chegou muito depois do tempo previsto (os Correios alegaram que mandaram a resposta por e-mail, mas o fato é que não a recebi). Acionar a Ouvidoria do órgão também de nada ajudou, pois não obtive resposta ao meu pleito.

Para encurtar a história, os Correios me informaram que meus preciosos livros – publicados há mais de 50 anos, em edições esgotadíssimas, e que para mim têm um valor sentimental incalculável, pois foram escritos por minha mãe, já morta – foram roubados do caminhão (isto mesmo, caminhão, embora haja voos diários entre as cidades) que os transportava pelos 600 km que separam Maceió de Salvador. Esse serviço de entrega por caminhão – que, fiquei sabendo, é usado em várias partes do Brasil – é terceirizado. O grande argumento dos funcionários dos Correios que comigo conversavam por telefone era: “Mas o roubo não aconteceu nas dependências dos Correios!”, como se a instituição não fosse a responsável pela entrega final do pacote. E ainda comentavam: “Pois é, minha senhora, este país está uma coisa horrível mesmo, cheio de assaltos...”

Enquanto eu estava na agência daqui me informando sobre o assunto (quantas horas, quantos dias perdidos de pura tensão, para nada!), vi um funcionário dos Correios – ou de empresa terceirizada, não sei – recolher o sedex daquele dia da agência: ele, que dirigia uma perua como a da imagem deste texto, estacionou em frente á agência, abriu as portas da perua – deixando à mostra os outros pacotes que lá estavam – e entrou na agência, passando a carregar para a perua, um a um, os pesados sacos contendo as encomendas sedex. Ao terminar, fechou as portas do veículo, retomou o volante e partiu para repetir a mesma tarefa em outra agência. Nem ele nem a carga (muitas com objetos de valor, todo mundo sabe disso) recebiam qualquer proteção.

O que eu posso fazer? Segundo os Correios, levar cópias de vários documentos meus até a agência onde postei o pacote, preencher lá minucioso formulário, e aguardar até que me devolvam o dinheiro que gastei na postagem, acompanhado de cinquenta reais. É, cinquenta reais.

Decidi acionar judicialmente os Correios. Meu interesse não é tanto o valor pecuniário que acho que me devem por não terem cumprido seus serviços (minha perda é incalculável), mas o fato de – descobri ao conversar com diversas pessoas sobre o assunto – os desvios de encomendas sedex serem hoje frequentes. Muita gente, de vários estados, me contou ter passado pelo mesmo problema. Suas perdas foram enormes – desde objetos de valor, como laptops, que por isso mesmo foram enviados por sedex, até perda de inscrição em concurso público, passando pelo extravio de um remédio urgente, destinado a alguém que muito precisava dele.

Pelo que me foi dito, os desvios de cargas do sedex têm sido constantes. Acho que os Correios devem ser responsabilizados por isso, para tomarem uma providência. Acho que todos os prejudicados devem entrar na Justiça, por mais aborrecido e tenso e trabalhoso que isso seja. Pois pode ser a única brecha que nos deixaram para chamar à consciência uma instituição que já foi sinônimo de qualidade no Brasil, e hoje pode deixar de cumprir obrigações, lesando seus usuários, como aconteceu comigo.

Eu não confio mais no sedex.

33 comentários:

Bípede Falante disse...

Janaina, não posso imaginar a sua aflição. Você está coberta de razão em acionar os Correios. Os livros da sua mãe tem imenso valor em vários sentidos. O meu irmão me enviou da Suiça no início de dezembro um pacote para ser entregue por Sedex que só recebi agora no final de fevereiro, todo sacudido com algumas coisas quebradas. Acione e divulgue. Isso não pode mais acontecer.

Leca disse...

Revoltante mesmo...
eu enviei cartas para Portugal...e paguei o rastreamento...que foi bem...até chegar em Portugal...daí não soube mais nada...só agora que as cartas registradas chegaram a salvo em seu destino...
Se fossem livros raros e objetos queridos...ficaria muito mais revoltada...é dose...
beijo
Leca

Gerana Damulakis disse...

Estou tão desolada que nem sei o que escrever. Acho que eu ficaria tão enraivecida que não pararia de chorar.

Luma Rosa disse...

Janaína, os correios agiram arbitrariamente e você deve sim, processá-los. Estes livros estão em algum lugar. Se eles sabem do roubo, não fizeram ocorrência? que coisa estranha... fiquei sabendo de um caso em que os próprios funcionários abriam encomendas, sabe? Principalmente as vindas de fora do país e de longa distância, talvez para engrossar esse golpe que lhe deram.
Mostre esse link para o seu advogado http://www.jusbrasil.com.br/noticias/748011/correios-nao-podem-terceirizar-entrega-de-malotes-sedex-e-mercadorias-ao-destinatario-final
Estou solidária com a sua dor, imagino mas não tenho a medida da sua dor, porque deve ser muita! Beijus,

Ana Tapadas disse...

Que lamentável e triste!
Beijinho carinhoso

I.Moniz Pacheco disse...

Absurdo. Perda incalculável. Não tenho palavras a não ser engrossar o coro dos que querem o processo contra os Correios.
Infelizmente é assim, quando acontece uma coisa dessas não temos a quem recorrer.

Chorik disse...

Puxa Janaina, que dor. Nem sei o que dizer. Só posso prestar aqui minha solidariedade e desejar que algo de maravilhoso aconteça para compensar essa perda.

Bj

Luli Facciolla disse...

Eu deixei de convidar várias pessoas para o meu casameto justamente pq o meu pacote de convites, que foi mandado via sedex, estava entre os pacotes levados em um assalto!

Por sorte o casamento se desfez. E a confiança nos correios também!

Beijos

Mariano disse...

Que coisa mais triste.
Lamentável e irreparável.

Celso Ramos disse...

Olá Janaina!!
Sinto muitíssimo pela sua perda...infelizmente não há uma cultura da reclamação em nosso país. As instituições fazem como querem...é necessário que, assim como você, outros revelem seus problemas com a empresa e conjuntamente encontrem uma forma (judicial)de evitar que outros sejam lezados.... Fica com Deus!!!

Ps. nessa sua ação vê se arranca o couro deles!!!

cirandeira disse...

Que perda terrível, Janaína! É revoltante, posso imaginar o que estás sentindo. Mas acho que alguma coisa precisa ser feita. Já faz muito tempo que os Correios perderam sua credibilidade. Até mesmo quando se trata de correspondência comum. Sempre achei um absurdo o preço cobrado pelo Sedex. A empresa está às voltas com uma CPI, porque a corrupção por alí, anda à solta. Tens toda a razão em acioná-los judicialmente. Fico pensando, "cá com meus botões", quem teria interesse em roubar os livros de tua mãe? Por quê? Para quê? Levaram todas as encomendas? Como aconteceu? Os Correios têm OBRIGAÇÃO de esclarecer essa estória, porque existem muitos pontos obscuros, não achas? Seria interessante se conseguisses reunir relatos de outras vítimas;talvez uma ação coletiva tivesse mais impacto. Que tal se conseguisses divulgar isso na grande imprensa ou mesmo em Salvador...Puxa vida! Não me conformo, estou chocada, sinceramente. Isso não pode ficar "por isso mesmo", algo precisa ser feito. E agora, como vai ficar a publicação do livro?
Estou levantando essas questões, mas fico pensando como está tua cabeça.Imagino que está a mil! Quero te dizer que estou solidária contigo, e se achares que posso ajudar em alguma coisa, podes contar comigo.
Um grande abraço

Lisarda disse...

Espantoso, es para matarlos:cobran caro, tercerizan, descuidan, dañan por omisión.
No hay que entregar tesoros a gente profana en libros: desgraciadamente, en ese aspecto, seguimos en la Edad Media.
Es raro que primero te hayan dicho que iban a ser destruidos y luego, que fueron robados:por ese camino, hasta es posible que aparezca quien te los quiera vender.
Te deseo lo mejor en la demanda judical; y demandá por mucho dinero a las autoridades, que es muy probable que rastreen tus libros.
Janaína, a mí me han robado libros y sé por lo que estás pasando.
Un abrazo solidario,
Ignacio

Cosmunicando disse...

Jana, estou perplexa! Eu também confiava cegamente no sedex até ler isto aqui... que horror, menina.
Nunca tive problemas, por sorte, mas lendo os comentários das pessoas, além do teu relato tristíssimo, vejo que a coisa é muito frequente!
Minha solidariedade a você.
beijo

Janaina Amado disse...

Queridos amigos, muitíssimo obrigada pelo apoio e sugestões de vocês, que têm me confortado e sugerido caminhos em que eu não havia pensado.
Só para esclarecer algo que não ficou claro no meu texto: segundo os Correios, os livros desapareceram em decorrência de um assalto ao caminhão que transportava as encomendas sedex daquele dia entre Maceió e Salvador. Ainda segundo os Correios, as outras encomendas que lá estavam também foram roubadas.

Ricardo Cabús disse...

Janaína, estou perplexo. Voltamos à Idade Média? Minha solidariedade.

maria guimarães sampaio disse...

Jana, só posso me solidarizar e continuar gritando que é uma porra essa gente que vai tomando o poder sem nada construir de novo e ir acabando com o que funcionava. Ê brasilsinho...
Podemos os blogueiros velsar e revelsar com os amigos a procura dos livros de Jacintha. Quem conseguir, xeroca para você ainda podemos encontrar algum generoso para dar a você!

maria guimarães sampaio disse...

comentei. deixei aqui minha solidariedade e idéias: sumiu tudo. Postei lá no continhos sobre o assunto.

Ana Cecília disse...

Jana, imagino que terrível é isso, perder algo que não se pode substituir.
E fiquei triste - também eu confiava no sedex.
abraço grande, tomara que algum dia esses textos voltem pra você, por imprevisíveis caminhos. Quem sabe?

Bernardo Guimarães disse...

jana,
a gente fica tão indignado, tão puto, que a sensação de apenas processar esta merda não diminui nossa indignação, mas não impede o processo, afinal, o roubo foi como roubo de alma, de sentimento, roubo de uma vida. o que substitui o objeto roubado?
se precisar dar porrada em alguem, chamamos menina da ilha, ela é craque nisso!...hehehe

claudio rodrigues disse...

Chato isso, né! E eu que achava que o sedex era a coisa mais confiável do mundo. Vou cuidar de ficar atento, colocar tudo no seguro.

Maria Muadiê disse...

pôxa, amiga, nem posso acreditar que isso aconteceu!
Pôxa,
um beijo grande pra vc, minha querida.

romério rômulo disse...

janaína:
a ação judicial é o caminho.
já tive um problema com o sedex.
um beijo.
romério

Aninha Pontes disse...

Jana querida:
Mas então, no roubo, abriram a caixa e levaram apenas os livros?
Porque pelo que vc disse, estava na caixa, um velho relógio, certo?
O pior disso tuso, é que já nos acostumamos a dizer, que esse país nao tem jeito. Tem que ter jeito sim.
Tem que espernear, processar, ou seja lá o que for.
Os correios já foi uma empresa confiável. Deve voltar a ser, se quiser manter seu espaço no mercado.
Nunca tive um problema assim, mas vou ficar atenta, porque uso bastante os serviços da empresa.
E o caminho, é botar a boca no mundo.
Alguém há de mexer.
Lamento tanto...
Um beijo querida.

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Janaina, dizer que estou solidário com voce nao chega, seu texto me doeu. Doeu muito por saber o quanto é importante as coisas com valor sentimental, nao tem preco!!! Triste a sua história e posso imaginar a sua dor e frustracao, mesmo que voce ganhe a causa na justica nunca se vai fazer justica direito porque voce perdeu algo que nenhum dinheiro do mundo pagará.
Voce perdeu um bocado dos seus genes, meu Deus eu queria poder aliviar a sua dor e nao consigo porque me sinto tao triste e revoltado, até dá ganas de matar...
Um beijo
Kandandu, amiga.

CeciLia disse...

Janaína!!
Que história horrível, essa. Eu também confiAVA nos correios, até ler teu relato. Será que não consegues recuperar estas edições através de sebos reais e virtuais? Sei que isso não atenuaria o estresse e a mágoa, mas devolveria os originais tão caros a ti.
Um abraço, sorte!
Cecilia
PS: sigo te lendo, do ´mais recente ao anterior.

dade amorim disse...

Em quem se pode confiar afinal? Nunca tive problemas com o sedex, mas agora, diante disso que você relata, já não fico assim tão tranquila de entregar uma encomenda ou um documento a esse serviço.
E o atendimento ao consumidor, nesse caso, não adiantaria nada, porque os livros estão perdidos. Mas um caso desses deve ser divulgado ao máximo.
Que tristeza, Janaína.
Um beijo solidário, com carinho.

Nydia Bonetti disse...

Ah, Janaína, me deu até uma dor no peito. Posso imaginar o que está sentindo. Não há mais o que se dizer, só lamentar. Deixo meu abraço e minha solidariedade.

Denise disse...

Jananina

Perdoe ,tenho estado fora e ausente da net,mas saber vc passando por isso me deixou aflita.
imagino sua tristeza e todo nervosismo que passou.

Aceite meu mais apertado abraço

carinho

Gregorio Omar Vainberg disse...

Janaína. não queda mais do que entrar na justiça, é o unico caminho
pelo menos para receber algum dinheiro, e que alguem seja responsabilizado pela perda.

Um abraço

dade amorim disse...

Nydia, seguio exemplo do Chorik e anotei à margem do Umbigo do SOnho uma chamada para a perda dos livros.
Torcendo para que reencontre esses livros.

Beijo.

líria porto disse...

estou desolada - isso é imperdoável!!!
besos

Vincent Law disse...

Sei que faz tempo que esse post foi postado, mas devo dizer algo sobre isso, mesmo não sabendo o que aconteceu após essa perda que você teve, Janaina.

Bom, gostaria que você, se caso ainda não saiba, entrar nestes site:

http://www.correios.com.br/encomendas/servicos/sedex/sedex.cfm

Fala de SEGURO AUTOMÁTICO.

E aqui também:
http://ftp.hardmob.com.br/showthread.php?t=149534

São dúvidas das pessoas que tiveram a mesma situação da sua.

E mais aqui, é pouca coisa, mas:

http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20091213122801AAkOIzi


Esse aqui, é um site de reclamações:

http://www.reclameaqui.com.br/reclame/

A questão, não é a estrutura da empresa por acontecer isso, e sim, por a empresa crescer sem poder dar conta a todos.

O responsável a que usa o Sedex etc, deve se movimentar sim, para que ela perceba o que está havendo. Só isso para que ela e enxergue. Idêntico aos telefones do Brasil etc.

Se fosse comigo, iria a procon, ligaria para o Sedex e seria insistente etc... Depois leia, Janaina, sobre Seguro Automático que está nos endereços que lhe passei nesse recado.

Eu recebi a minha mercadoria do Sedex, quase uma semana, pois o meu endereço não foi encontrado. Aí, uma pessoa que conhece a rua, enviou entregar aqui em casa, pois o outro entregador era novo.

Abraço e até mais.

Iremar Marinho disse...

Janaína,
A distância temporal que marca seu post sobre a ineficiência de um serviço público e o prejuízo pessoal causado, não afasta a indignação que nos move a exigir dos "poderes constituídos" todo o respeito que merecem cidadãos e cidadãs.
Agora que vou procurar seu livro de Jacinta Passos - sua história fascinante.
Abraços,

Iremar Marinho

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails