domingo, 31 de maio de 2009

O lobisomem de Iagos


Na cidade de Iagos, interior do Brasil, moram três lobisomens.
O mais velho é meu pai. Está vivo há tanto tempo que não se lembra mais onde nasceu nem quem eram seus pais. De vez em quando, ele é assombrado por visões estranhas, que lhe provocam fortes dores de cabeça e o deixam angustiado. Nessas ocasiões, vislumbra ao longe florestas perdidas no cume de montanhas, altíssimas montanhas nevadas. É um lugar encantado, lugar isolado, onde não existem pessoas, cores nem ruídos. Há apenas silêncio, tempo suspenso no ar. No meio da clareira de pinheiros, à luz da lua, ele vê uma loba lambendo carinhosamente um bebê deitado no chão. Meu pai sente que essas visões de alguma forma se relacionam às suas origens, mas não pode garantir que a loba seja sua mãe, a minha avó.
O pai apareceu em Iagos em meados do século XVIII, quando isto aqui era terra de garimpo e o ouro dos rios enlouquecia a imaginação dos homens. A riqueza era tanta, diziam, que até no papo das perdizes se encontravam grãos de ouro e pedras preciosas. Ávidos de fortunas, confiantes no futuro, mineradores de todas as partes do mundo acorriam para se enfiar neste buraco, de onde muitos nunca mais saíram. Iagos nasceu da ganância, filha dileta da luxúria, como até hoje o velho padre Zezinho gosta de pregar em seus sermões aos domingos, esmagando-nos a todos de culpa, devido a esse pecado original.
Meu pai mudou-se para Iagos porque sempre gostou do garimpo. A agitação e o perigo o fascinam, ele adora o burburinho, o esbanjamento, a violência, a confluência de sonhos, as mulheres desgarradas e aventureiras, as lutas e as loucas histórias dos mineradores. Até hoje, mais de duzentos anos depois, quando o ouro em Iagos se tornou apenas tênue, longínqua, orgulhosa lembrança dos bons tempos que se foram, até hoje ele não consegue resistir. Toda madrugada levanta-se, solitário, saindo a esburacar os bancos de areia dos rios, em busca de gramas de ouro que não mais existem e que ele sabe que não mais existem. Várias vezes o encontrei nessa procura inútil, cabeçorra enfiada na bateia, a separar com cuidado cascalhos que os olhos cansados não conseguem distinguir.
Acho que busca um mundo. Sente saudade da juventude, quer recuperar séculos que se passaram e quase apagaram o passado, revive a nostalgia de um mundo antigo, cujos ecos se encontram nas douradas catedrais, no casario colonial e na conformação irregular dos be¬cos de Iagos, mas se escondem também no ínimo de si mesmo, em sua consciência. Lobisomens são mesmo desse jeito. Sofrem crises monumentais de saudade, pois há mais recordações dentro deles do que possibilidade de memória. Desse conflito brota o sentimento do passado incompleto e irresolvido, provocando as dores de cabeça e a angústia das visões. Nada mais são, essas visões alucinadas, do que lembranças de tempos idos e queridos que a memória não consegue restaurar.
Ainda muito jovem, recém-chegado a Iagos à época da mineração, meu pai apaixonou-se por Dandara, filha caçula de um escravo fugido morador no Quibano, quilombo aqui perto, na Serra das Esmeraldas. Reservado a respeito de intimidades, o pai nunca me deu a ousadia de uma única confidência sobre esse grande amor antigo. Não importa. Sei de tudo por essa lenda de Iagos, até hoje contada pelos velhos cegos às crianças, que a escutam sem respirar, olhinhos brilhantes de prazer:

[Primeiro capítulo do meu romance "Dandara" (S.Paulo, Maltese, 1994, edição esgotada). Estou selecionando partes dele para integrar um livro que ando preparando. ]

9 comentários:

Anônimo disse...

中醫減重
中醫減重
中醫減重
中醫減重
中醫減重
花蓮民宿
花蓮民宿
花蓮民宿
花蓮民宿
花蓮民宿
花蓮民宿

Aninha Pontes disse...

Fiquei com gosto de quero mais.
Fiquei com vontade de conhecer esse pai lobisomem.
Mas vou lendo.
Janaína querida, tomei a liberdade de falar do seu post anterior no meu post de hoje.
É que de verdade me impressionou a forma como você conduziu a história, tão verdadeira.
Aliás, isso é sua marca né?
Um beijo e uma boa semana.

Luci Lacey disse...

Janaina

Pesquisei na net a sinopse de seu livro a amei.

Vou pedi-lo.

Parabens.

Beijinhos e boa semana

http://www.estantevirtual.com.br/livro/9719979/Janaina_Amado_Dandara.html

Janaina Amado disse...

Muitíssimo obrigada, Aninha. Seu incentivo me ajuda muito! Luci... espero que você não se decepcione com o livro - ele tem mais defeitos do que eu gostaria.

comboio turbulento disse...

abriste-me o apetite de ler mais sobre este lobisomem vai dando notícias dele.
Sempre achei interessante essa figura. Eu limito-me a ser um luísomem:)

Meg disse...

Janaína,

Venho retribuir a visita e conhecer o teu Enredos e Tramas.
Foi amor à primeira vista, o que senti... e já andei a passear os olhos por alguns posts anteriores.
Estou rendida e espero vir aqui passar algum do meu (escasso) tempo disponível.
Escasso por motivos profissionais, o que me também me obrigou a quase não ir ao V&P. Mas espero que os amigos me compreendam.
:)

Um beijo

Um

clarice ge disse...

Janaína, a Aninha recomendou e vim ler o texto que escreveste sobre a menina que um dia enterrou seu pesadelo... Triste demais, mas contado de uma forma brilhante.

Volto em outro momento para ler o conto deste post com calma.
abraço meu

Vivendo deixando a vida me levar... disse...

Ahh como aninha amiga disse, se prova realmente de como doce é estes textos, apaixonei!
Virei sempre!
Bjos^^

Georgia disse...

Janaina que linda história. Adoro seus textos e sei que este será como sempre maravilhoso.
Essas histórias deixam um rastro de vida com cheiro de saudade e nostalgia...

um lindo fim de semana pra você.

E a mao, está melhor?

Beijao

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails